sábado, 12 de dezembro de 2015

5 passos para curar nossas feridas emocionais


As experiências dolorosas que se desenvolvem ao longo de nossas vidas moldam nossas feridas emocionais. Estas feridas podem ser múltiplas e ocorrem de muitas maneiras: traição, humilhação, desconfiança, abandono, injustiça …
No entanto, devemos tomar consciência delas e evitar maquiá-las, porque quanto mais tempo você esperar para curá-las, mais elas podem piorar. Além disso, quando somos magoados, vivemos constantemente situações que tocam a nossa dor e nos fazem colocar várias máscaras por medo de reviver o sofrimento.
Portanto, a seguir, falaremos sobre os cinco passos que precisamos dar para curar as nossas feridas emocionais:

1- Trate a sua ferida emocional como parte de si mesmo

A ferida está lá. Você pode ou não concordar com o fato de que ela existe, mas o primeiro passo é aceitar essa possibilidade. De acordo com Lisa Bourbeaur, curar uma ferida significa aceitá-la, observá-la cuidadosamente e saber que ter situações dolorosas a resolver é parte da experiência humana.
Não somos melhores ou piores só porque algo nos machuca. Construir uma blindagem é um ato heroico, um ato de amor próprio que tem muitos méritos, mas que já cumpriu a sua função.
Ou seja, você protege ambientes internos feridos, mas uma vez que a ferida está aberta e você pode percebê-la, é hora de pensar em curá-la. Aceitar as nossas feridas é muito benéfico, e também muito importante, pois isto irá nos ajudar a transformar a nós mesmos.

2- Aceite o fato de que você sente medo ou vergonha; faça isso para si mesmo e para os outros

A vontade e a decisão de superar as nossas feridas é o primeiro passo em direção à paciência, à compaixão e à compreensão direcionadas a nós mesmos. Estas qualidades irão desenvolver-se por si mesmas, e irão se estender para as outras pessoas que alimentam o nosso ser.
Às vezes nós não percebemos que nós colocamos expectativas nos outros, esperando que eles preencham todas as nossas necessidades. A verdade é que o nosso comportamento nos leva a anular os nossos relacionamentos e a afastar muitos de nossas vidas, causando grande desconforto pelo fato de que os outros não respondem como esperávamos.




3- Dê-se permissão para ficar bravo com aqueles que alimentaram a sua ferida



Quanto mais nos machucaram, mais profundas são nossas feridas, e mais normal e humano é que isto resulte em culpa e raiva para com os que nos machucaram. Dê-se permissão para estar zangado com eles e para perdoar a si mesmo.
Caso contrário, você direcionará todo o ressentimento em si mesmo e nos outros, e isso é como arranhar a própria ferida. Sentir-se culpado dificulta o perdão, e livrar-nos da culpa e do ressentimento é a única maneira de curar as nossas feridas.
Você também precisa aprender a perdoar, pois devemos aceitar que as pessoas que nos ferem, provavelmente, carregam dentro de si uma profunda tristeza. Nós mesmos podemos ferir os outros com as máscaras que usamos para proteger as nossas feridas.

4- Nenhuma transformação é possível sem a aceitação da ferida


Esta ferida vai ensinar-lhe algumas coisas muito importantes, mas isso é difícil de aceitar porque o nosso ego cria uma barreira de proteção muito eficaz para esconder os nossos problemas
A verdade é que, normalmente, o ego quer tomar o caminho mais fácil, mas na verdade isso complica ainda mais a nossa vida. Através de nossos pensamentos, nossas reflexões e das nossas ações, o ego quer simplificar as coisas, e mesmo se isso parecer muito complicado, ele vai se esforçar para conseguir.
Tentamos esconder a ferida que mais nos faz sofrer porque temos medo de encará-la de frente e reviver a nossa dor. Isso nos faz usar máscaras e agravar as consequências do problema que temos, pois deixamos de ser nós mesmos.

5- Dê-se tempo para ver como você se apegou a sua dor ao longo dos anos



O ideal é livrar-se dessas máscaras o mais rápido possível, sem julgamentos ou críticas, pois isso permitirá identificar como devemos tratar as nossas feridas para, assim, curá-las definitivamente.
Você pode arrancar a máscara em um dia, ou levá-la consigo durante meses ou anos. O ideal seria ser capaz de dizer para si mesmo: “Tudo bem, eu coloquei esta máscara por esse motivo, mas posso retirá-la.”
Então, você saberá que está no caminho certo, e no resto de sua viagem o seu guia será a sua inércia, que lhe permitirá sentir-se bem sem se esconder.
Imagens cortesia de bruniewska e natalia_maroz.


Publicado aqui





Beijões Gordos,

Claudia Rocha GorDivah
Tumblr
Snap: gordivah
Gordinhas Maravilhosas