sexta-feira, 22 de maio de 2015

Gorda E Feliz



Algumas pessoas tendem a pensar que  é impossível estar gorda e ser feliz. Como se minha relação com a gravidade da Terra determinasse se tenho ou não o direito de ser contente comigo mesma. Não sei se é a minha personalidade, temperamento desde  que me  entendo por gente, essa tendência que tenho de não me importar com o que todos estão fazendo ou usando ou pensando, regras de moda, padrões da sociedade, regras e regras e regras. Pelo que minha família me conta eu sempre fui meio diferente das outras crianças, minha mente sempre funcionou diferente e com uma certa frequência consigo prever atitudes, enxergar mentiras na hora e contestar o que penso estar errado. Eu era daquele tipo de criança que debatia com adultos quando achava que eles estavam errados ou me criticavam e ao meu ver, eu não deveria ser criticado por aquele adulto. Exemplo clássico: o pai de um menino extremamente mimado e mal educado virava pra mim e falava, não pode subir no muro e ficar pulando dele(essa proibição sequer existia oficialmente), eu respondia: Ô seu fulano, em vez de tomar conta de mim, que tal educar seu próprio filho que é muito mal educado hein? Kkkkkkkkkk

Aí eu ouvia, vou fazer queixa de você pro seu pai, eu respondia, pode ir lá o senhor é nosso vizinho, é só bater na porta ao lado e falar com ele, mas garanto que o senhor vai perder seu tempo, pois não fiz nem falei nada de errado e meu pai vai falar o mesmo pro senhor. Minha mãe ficava louca com tantas queixas contra mim, meu pai achava graça quando eu agia certo mas me  repreendia verbalmente e me obrigava a me desculpar quando eu estava errada, na visão dele. Embora muitas vezes eu não concordasse em pedir desculpas quando achava que estava certa, eu debatia com ele e soltava, só vou fazer porque você tá mandando, mas que isso tá errado, está. Menina abusada, cheia de atitudes e opiniões desde cedo, que lia na 5ª série e escrevia na agenda poemas de Augusto dos Anjos e ficava fascinada com os versos " o beijo é a véspera do escarro", amava Machado de Assis e era apaixonada pelo Elvis e o bom rock and roll e blues...

O maior preconceito que devemos vencer é o nosso em relação à nós mesmos, sempre falo isso, e a opinião que conta mesmo de verdade no final das contas, é a nossa, o corpo é nosso, a vida é nossa e o futuro e escolhas também! Pare de olhar tanto para os outros e preste mais atenção em si mesma, se redescubra, se conheça mais, se reaproxime de quem você realmente é e não adote a imagem que fazem de você como uma verdade universal, absoluta e imutável! Não é porque a sociedade não te valoriza que você vai operar no mesmo câmbio que ela! você tem valor sim! É linda, única e especial como uma flor que acabou de desabrochar, não importa se é uma tulipa, rosa, ou margarida, você é como uma flor, maravilhosa!  E nunca mais haverá outra RIGOROSAMENTE  igual a você! Não é porque  a maioria prefere rosas que as gérberas não tem encanto. Chega de se enxergar como matinho! Desabroche! Dê um colorido nesse mundo rasa e cinzento com suas pétalas, cores e perfume!

Desabroche!Desabroche!Desabroche!


E crescendo apesar de todas as críticas e família meio distante emocionalmente, embora a maioria morando no mesmo estado, a tendência foi cada vez menos me importar ou buscar aprovação de outros, até que chegou a adolescência. Mas antes da adolescência, eu reagia quando me chamavam de gorda, bolo fofo, mônica, etc....Aquilo me deixava revoltada demais! Ainda mais por pequenas coisas, mas que na vida de uma criança faz a diferença. Eu não ganhava ovos de páscoa de tios ou primos, ganhei um pequeno uma vez da negeubauer(coisa horrorosa), e ouvia que eu não ganhava chocolate porque era gorda....E daí que eu era gorda!? Eu antes de ser gorda era uma criança que só queria ser lembrada pelos tios e tias na páscoa, mas se eles não lembravam nem direito da mãe deles que morava conosco, quanto mais de mim...Acho que isso influenciou e muito a minha vontade de ser independente emocionalmente dos outros, não buscar validação de ninguém, chego a lembrar de uma fase obscura em que eu odiava as pessoas, e as ignorava completamente. Aí quando conheci a meditação eu desapeguei do ódio e passei simplesmente a não me importar mais com as regras que o mundo ao redor vomitava sobre meu corpo, minha casca. Comecei a praticar o desapego e enxergar opiniões negativas e preconceituosas, xingamentos como lixo que precisava ser peneirado, reciclado e não guardado  para apodrecer dentro de mim. Eu aprendi muito cedo que as pessoas sempre nos decepcionam e mentem em algum momento e que isso não deveria me abalar tanto, pois fugir disso seria inútil  já que aconteceria de qualquer jeito, ali aceitei que o sofrimento faz parte da vida e que se eu não posso mudar a causa dele devo mudar minha postura, maneira de lidar com ele. E cheguei a essa conclusão deitada olhando pras nuvens correndo no céu de uma tarde azul....eu era apaixonada por medicina e fascinada pelo funcionamento do universo e mundo ao meu redor. E deitada olhando as nuvens e como o vento as moldava pensei, engraçado, a primeira coisa que fazemos na vida é chorar...acho que nossa primeira lição é que a dor faz parte da vida...e é claro que fui perguntar ao meu pai porque os bebês choravam ao nascer já que a palmada não era forte assim pra chorarem tanto, aí aprendi sobre pressão interna e externa, etc.....


Sei que cada um tem sua história e temperamento, personalidade, grau de carência, mas com tudo isso que contei sobre uma pequena parte da minha vida, quis mostrar que tudo na vida é uma questão de escolha. Você pode escolher engolir o preconceito da sociedade por ser gorda e deixar esse lixo apodrecer dentro de você ou você pode escolher rever seus próprios conceitos e imagem corporal que você construiu ao longo de sua vida. Imagem corporal negativa não é exclusividade de gordinhas, e muito menos de mulheres viu. Engana-se quem pensa que os magros não são inseguros também com relação a imagem e percepção que têm de si mesmos. Autoestima problemática não deve ser nunca negligenciada, em alguns casos você vai precisar de auxílio de um psicólogo, terapeuta, ás vezes até de medicação para te auxiliar a tratar essas questões internas.

Acho muito importante abordar esta questão pois infelizmente nossa sociedade vende emagrecimento e embelezamento como a cura de todos os males e isso é um engano. Não adianta simplesmente emagrecer ou fazer um tratamento estético para automaticamente obter uma autoestima saudável. Isso não mudará suas questões internas que necessitam serem resolvidas. Você pode mudar sua casca, melhorar seu condicionamento físico, melhorar sua saúde física, mas e a emocional, psicológica? Como fica? Um indivíduo não vive bem apenas saudável fisicamente.Independente de você querer ou precisar de fato emagrecer, seu interior não deve ser negligenciado, caso contrário você será como a maior parte de nossa sociedade: eternamente insatisfeita e insegura consigo mesma.




Há pessoas magras e infelizes, felizes também, e há pessoas gordas e felizes, e também há gordos infelizes, tudo é uma questão de escolha e foco. Eu escolho e foco na felicidade, não uso meu corpo como desculpa, estar gorda não é uma desculpa para ser sedentária, deixar de se amar, cuidar do corpo com amor e carinho. Estar gorda não é vergonhoso, não dá direito a ninguém de se intrometer na minha vida, me atacar verbalmente com termos pejorativos relacionados ao meu porte físico, estar gorda não me obriga a ser vaca de presépio pra sociedade, não vou abaixar a cabeça pro preconceito, não vou me envergonhar por ser quem sou hoje, pelo número do meu manequim ou dígitos que a balança registra. A opinião mais importante de todas sobre meu corpo é a minha! Se você duvida ou não que eu amo cada dobrinha minha, meus coxões, batata da perna gorda, busto tamanho 54/56, isso não muda NADA, não diminui meu amor por mim mesma, não altera a forma como vejo a minha beleza. Eu me vejo e sinto bela, eu amo meu corpo, adoro mimá-lo e testar os limites dele com atividades físicas. O ser humano é capaz de coisas incríveis quando ele elimina da sua vida  pensamentos como:  "eu não sou capaz", "eu não consigo", "pobre de mim", "ai o que os outros vão pensar?", "ai me chamam de gorda" ou qualquer outro tipo de pensamento que te limite.










Beijões Queen Size,

Claudia Rocha GorDivah