sábado, 25 de janeiro de 2014

"Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto..."

          (Bernardo Soares, heterônimo de Fernando Pessoa no Livro do Desassossego)