terça-feira, 11 de junho de 2013

Carta de Amor de Uma Moribunda





Não, não me venha falar de amor, daquilo que você não sentirá nunca por mim...não me peça para continuar, para ficar e lutar. Eu não quero saber mais do amor, esse ingrato sempre bagunça minha vida. Deixei o amor para as noivas de maio e namorados de junho, eles são amigos do amor, não eu. Eu abandonei o reino do amor há tanto, tanto tempo, não saberia como viver lá novamente. Eu não quero mais perder tempo com o amor e suas dores, incertezas não. Eu amei tanto em minha vida que seria o suficiente para 10000 reencarnações, já gastei a minha cota....e não foi por não tentar, eu sempre tentei até cessar em mim o fôlego. Mergulhei o mais fundo que consegui, mas você soltou minha mão...

O amor que conheci é muito diferente do que vejo hoje, do que acham que é amar, paixões não me enchem os olhos, sentimentos vagos e palavras de lisonja não me fazem palpitar. Eu não busco emoções, sensações,  espero por algo concreto, que dure e floresça em meio ao caos. Não, por favor, não me fale de amor, você parece ter esquecido do que ele é feito. 

Em breve eu partirei e não passarei de uma simples, vaga e doce lembrança na história da sua vida. Você talvez lembrará das tardes que passamos juntos, das promessas que nunca fizemos, do quanto eu poderia ter significado, da história que poderíamos ter escrito juntos. Talvez derrame uma lágrima, abrace meu travesseiro e perceba que nele não existe mais meu cheiro, perceberá que eu parti pra sempre. Aí talvez você lembre do quão pequenos eram os obstáculos que nos separaram, do quanto eu tentei acreditar em suas palavras, do quanto eu tentei até o fim. Quem sabe nesse dia você aprenda e mude, passe a valorizar e respeitar quem está com você, honrar o compromisso, ser leal, fiel e digno de confiança. Eu te peço, quando eu partir, seja feliz e faça diferente. Quando você estiver com alguém por amor, que seja por inteiro, sem paqueras paralelas, sem flertes aparentemente inofensivos, sem a necessidade de atrair outros olhares que não o dela. Ame sem amarras, sem ressalvas, com o foco nela, ame a tal ponto que seu corpo transborde de tanta felicidade, de modo que haja confiança genuína e sincera. Que seu olhar seja para ela, seus lábios, seu coração, seus pensamentos e sentimentos sejam inspirados e direcionados àquela que é somente sua. Que você seja somente dela, em corpo, alma e espírito. Quando você viver isso, aí sim você poderá olhar para as estrelas e falar comigo sobre o amor. Pois este sentimento raro era o que eu nutria por você.


Mas não, não derrame nenhuma lágrima quando eu partir, não se martirize com remorso, eu vivi, te fiz feliz e isso me basta.