terça-feira, 30 de abril de 2013

Gorda Modo KILL BILL On



Olha eu estou cansada de muita coisa e ter um dia de fúria realmente não estava nos meus planos...mas aconteceu, a vida segue. Vou resistir à morte até o fim! Às vezes você vai tolerando tanta coisa, tanta coisa que quando tudo dá errado num dia, você simplesmente não aguenta e para de engolir e sai vomitando.

Tudo o que acontece com os outros é minimizado na nossa sociedade, já reparou? Jalapeño no *  da gordinha aqui é refresco né, afinal eu sempre resolvo tudo, mas esquecem que até panela de pressão chia quando a mesma aumenta e até voa quando explode....mas não, gorda não pode se stressar, porque se ela se irrita é  porque não tem namorado, e não pode nem se dar ao luxo de comer um chocolate que ouve, ih você não pode.... Não pode o escambau queridinhos!! Posso o que eu quiser, até  piar junto com a JIRIPOCA!! E nós piamos muito!

O que acho engraçado é essa mente fechada da sociedade, só porque sou doce não posso ter um lado rebelde e ácido? Porque sou gorda sou fofa, dócil e aceito tudo e qualquer coisa? Não mesmo! Sou doce, carinhosa, fofa, paciente, mas todos tem limites e quem nunca teve um dia de cão? Acho que meu maior mal é ser honesta e transparente, o mundo ainda não evoluiu para isso. Paciência. Agora que venham as consequências e repreensões.

O ser humano não é capaz de ter muita empatia não, saber se colocar no lugar do outro e compreender o que aquela pessoa está vivendo, passando e no fundo ninguém quer nem saber, acho que  o calor humano da compaixão esfriou de vez no coração da humanidade. E depois desse episódio, a sensação que tenho é que passei por uma experiência xamânica de auto-conhecimento que me mudou profundamente, estou definitivamente muito menos boazinha!







terça-feira, 23 de abril de 2013

Sobrevivente do Duelo

Tah legal, quem foi que contou pro Dr. td que eu escrevi rssssss? Nossa, ele foi tão fofo comigo que não o desamo mais. Só estou meio desanimada  e triste com a não liberação pra voltar a vida normal... Estou sendo forçada pelas circunstâncias a focar mais na minha saúde, eu achava que estava bem melhor do que aparentemente estou, preciso fazer uma bateria de exames para nova avaliação...mas,vamos em frente!!

De qualquer modo, isso me fez refletir muito sobre a vida, o tempo e oportunidades que desperdiçamos, sobre o eterno amanhã. Quantas vezes falamos, amanhã eu farei isso ou quando eu alcançar isso serei feliz ou farei aquilo....e nisso a vida passa, e rápido!!  Quantas pessoas morrem sem realizar 1/3 do que queriam? Quantas morrem brigadas com aqueles que amam? E quantos seguem vivendo sendo corroídos pelo remorso?

Trate as pessoas como se fosse seu último e primeiro dia de vida, respeite e não brinque com os sentimentos delas! E não deixe ninguém brincar com os seus! Não cultive amizades falsas ou por falsos pretextos... Aceite as diferenças e por favor parem de bancar os Endocrinologistas de plantão, deixem os gordinhos sossegados!!! Ou por acaso os gordinhos ficam regulando teu cigarro, cerva ou chope?

A hora de ser feliz é esta! Não se ama? Faça algo à respeito e pare de se lamentar!! Pare de se iludir ou iludir os outros! Corte relacionamentos nocivos! Viva! Seja feliz! E aprenda a se amar antes de amar alguém! E aprenda que relacionamentos não são complicados, as pessoas sim....






10 Honest Thoughts On Being Loved By a Skinny Boy

"Rachel Wiley - "10 Honest Thoughts On Being Loved By A Skinny Boy"



domingo, 21 de abril de 2013

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Falando com Estranhos



Na rua não sou exatamente simpática com quem não conheço, evito conversar, mas hoje no hospital, eu estava tão mal que agi diferente. E nisso conheci 2 caras super simpáticos e 1 insuportável que me agrediu e debochou de mim, e acabou levando uma amostra do meu sarcasmo delicadíssimo, mas vou falar só de um: xará meu super simpático e lindo! Claro que as qualidades tem relação com o nome rsss...
Eu sou super obesa e estou acostumada a ser ignorada/rejeitada/agredida pelas pessoas, mas como minha confiança é blindada  consigo seguir em frente com alegria e bom humor. Mas é a primeira vez em muito tempo que um cara educado, lindo, simpático e engraçado resolve puxar conversa comigo e sentar ao meu lado para continuar conversando. E dentre tantas coisas interessantes que conversamos uma ficou martelando na minha cabeça até agora. Ele comentou que as pessoas passam tanto tempo enfurnadas em seus mundinhos, brinquedinhos eletrônicos que não interagem com as pessoas ao redor, não se relacionam e muitas vezes perdem a oportunidade de conversar com pessoas interessantes que estão bem ao seu lado.
Foi uma conversa tão franca como há muito eu não tinha, sabe aquela  conversa olhando nos olhos e de modo sincero, sem maldade? Pois bem foi uma conversa assim que tivemos, ali não era um cara conversando com uma obesa, mas simplesmente dois adultos conversando e rindo muito. E nisso eu notei que muitas vezes nos chateamos e desperdiçamos nosso tempo com assuntos e pessoas virtuais que muitas vezes ocupam o lugar de pessoas e atividades reais  nas nossas vidas.
Nem sei quantas horas ficamos ali, mas parece que foi pouco, poderia escutá-lo por muito mais tempo.Não sei o que fez aquele cara parar para conversar justamente comigo, dentre tantas outras pessoas que estavam lá, mas sei que minha confiança teve algo a ver com isso. Por isso meninas, não deixem nunca sua confiança de lado, ela pode te garantir ao menos horas de boa companhia, humor, muita conversa e quem sabe um encontro depois...

Massacre diário



Confiar em si mesma é um dos passos que devemos dar todos os dias para mantermos um relacionamento saudável com nós mesmas. Não é fácil, mas o exercício diário do desenvolvimento da auto-confiança fará disso algo natural em sua vida, tal qual escovar os dentes.
É extremamente difícil, eu confesso, ainda mais quando você é obrigada a lidar com a rejeição diariamente e com a invisibilidade adiposa seletiva, as pessoas só veem os obesos como pessoa quando lhes interessa, fora isso nos veem como bichos asquerosos que transmitem uma doença mortal e altamente contagiosa, tanto que nem nos olhar olham.
Isso dói demais e se você não se blindar, isso te fará desmoronar.Eu já desmoronei tanto que decidi virar duna, pode bufar, soprar o quanto quiser que continuarei sendo a areia de sempre, agora, corre quando eu me transformar em tempestade no deserto!
E nesse processo interminável troquei a lente de ver a vida, passei a me ver com meus olhos e amadureci a cada lágrima derramada no silêncio sepulcral da minha alma. Aprendi que há vários tipos de beleza e que existem apreciadores diferentes para cada uma delas. Há os verdadeiros e os dissimulados, os sinceros e aqueles que te enganam para se aproximar o bastante e assim conseguir algo de você...e há muitos que apreciam só da boca pra fora...nunca te assumiriam.
No meio de tantos turbilhões tomei uma decisão, eles poderiam me fazer derramar lágrimas mas jamais os deixarei abalar a confiança que tenho em mim mesma, não irão me transformar em mais uma mulher insegura por causa de um homenzinho não! Isso nunca!
O mundo pode não enxergar como sou maravilhosa, como poderia ser e fazer alguém feliz ao meu lado, como sou maravilhosa do meu jeito, como sou capaz de amar livremente como poucas pessoas se permitem...há tanto ao meu respeito que ninguém nunca soube que me dá vontade de rir às vezes quando percebo que me reduzem simplesmente a uma palavrinha: GORDA. Isso é minha condição 3D atual, só isso, e me chamar de gorda não me ofende, porque isto nunca me definiu.


quarta-feira, 17 de abril de 2013

Projeto Gui eu te <3 !! Só que não!!!

Vocês já devem ter lido em posts anteriores meus sobre o câncer que tive, o médico que me operou que me disse que eu tenho obrigação de emagrecer pois pra ele obesidade é uma das causas de câncer etc...pois bem, este Projeto foi minha maneira bem humorada de encarar a dieta/reeducação alimentar com a rotina de exercícios, e aproveitei para homenagear uma amiga que adora a expressão  "só que não". Preciso levar na brincadeira, pois este assunto me deixa meio tensa e quando tenho consulta com ele sempre fico meio apreensiva.
Minha consulta de amanhã com ele  foi remarcada para semana que vem e com isso mais dias de inquietação eu ganhei :-\

Ai ai, 4 longos anos assim eu vou ter que enfrentar... Que puxa!

Quero fugir com o circo


Já sou palhaça e malabarista no dia a dia, ando muitas vezes na corda bamba e sempre que necessário cuspo fogo, então acho que vou me enturmar direitinho com o pessoal do circo....

sexta-feira, 12 de abril de 2013

Batalha contra o câncer

Tem coisas na vida que não dá pra evitar, por mais que você queira, e médico no acompanhamento pós câncer é uma delas...vou aproveitar o post para contar um pouquinho da minha história. Fevereiro do ano passado, na semana do Carnaval eu fui operada às pressas por causa de uma apendicite, quase morri, fui acordada da cirurgia com gritos ao longe dizendo: RESPIRAAAAA! RESPIRA PELO AMOR DE DEUS!!! Ouvi que não tinha respirado direito na cirurgia por causa do peso etc...pensei só faltava essa agora!!  E por praxe o apêndice(no meu caso havia  metade apenas, pois o câncer havia devorado o resto) é encaminhado para biópsia. Meu pós operatório foi horrível, continuei me sentindo mal, com dor, mas não a alucinante de antes....o tempo passou e fui para consulta de revisão da cirurgia. Chegando lá, ainda estava me recuperando, mas como nunca havia operado nada na vida, achei que era assim mesmo. Quando o médico perguntou se eu estava com acompanhante, pensei, ih rodei!! Não deu outra, o diagnóstico foi um tumor maligno na base do intestino grosso. E este câncer estava secretando substâncias no meu organismo que acabaram inflamando o peritônio(película que envolve todo o abdômen), estimulando acúmulo de gordura, inflamando pele e pulmões, por isso quase morri na primeira cirurgia. Nunca pensei que ouviria isso de um médico, nem que veria minha família passar por isso novamente, vivenciar toda dor, pois meu pai morreu de câncer; mas, novamente era minha vez de bancar a forte...eu sou meio estranha mesmo, quanto pior a situação, mais séria e centrada fico, minha família desabando em choro e eu lá: - Tah legal doutor, mas, e aí que que a gente faz agora?
O médico me olhou meio espantado e então escolhi passar por outra cirurgia, mas dentro de mim, lá dentro falava muito sério mesmo com Deus, papo retíssimo! Eu não tinha escolha, precisava ser forte por mim e por minha família, e é nestas horas que você descobre quão dura você consegue ser diante da vida. Nestas horas você descobre que por mais que você seja amada, ninguém pode viver sua dor por você. E lá ia eu para segunda cirurgia e menos de 3 semanas, batendo o record da família. Uma cirurgia de grande porte, retirada de uma porção do intestino grosso, delgado, religação de ambos, retirada de todos os linfonodos da região, vistoria de todos os órgãos....e envio de tudo isso para biópsia, e mais um período de espera para saber até que ponto o câncer tinha crescido...foram as três semanas mais longas da minha vida!! A mais longa foi quando fiquei no hospital uma semana após a cirurgia, era tanta sonda que me sentia um dróide......

Acho que deu para imaginar como eu estava por dentro né? Agora imagina você passando por isso tudo e ainda tendo que escutar que por você ser obesa teve câncer e que se não emagrecer terá que fazer redução de estômago? Eu não sabia que tinha  tanto auto-controle, pois minha vontade foi xingar muito o médico e mandar ele catar coquinho em pé de alface! Fiquei muito chateada com isso, onde já se viu, obesidade ser fator desencadeador de câncer! E pra piorar, preciso fazer acompanhamento por 5 anos!! Infelizmente, por este motivo, me vejo obrigada a emagrecer, mesmo me amando obesa, mas não quero ficar magrela não!! Foi muito para mim, desde então eu tenho mudado muito por dentro, a maneira de viver, sentir, reagir, épocas de maior fragilidade, tristezas por causa de decepção com pessoas que andaram para meu risco de morte, que não mandaram nem um SMS com "Te vejo do outro lado sua cachorra ou já vai tarde"...isso durante um bom tempo me deixou tão triste, mas tão triste que larguei a vocação Amélie Poulain, de fazer o mundo das pessoas à minha volta bem melhor para se viver, deixei de mimar as pessoas, até que digeri o desprezo, a tristeza, a decepção, o descaso do abandono e decidi simplesmente voltar a ser quem sempre fui, independente da dor que me causaram. Liguei o LET IT BE e segui em frente.

Esta semana eu percebi que esse silêncio no qual mergulho às vezes quando acho que alguém não me quer por perto ou interagir comigo, pode ser interpretado como orgulho ou um joguinho, coisas que odeio e não faço mesmo. As pessoas estão tão desacostumadas a respeitar o tempo e espaço do outro que não entendem minha opção de não encher o saco, sufocar ninguém, decisão de respeitar o silêncio alheio em silêncio também...as pessoas são muito estranhas mesmo...Quando fico quieta, dizem que estou esquisita...acho que preciso de uma bússola para me dirigir na interação com as pessoas no cotidiano porque tô perdidinha aqui rsss....

Quando você sobrevive ao câncer, é inevitável você mudar e ter outra percepção de vida, inevitável as pessoas à sua volta acharem que o tumor voltou quando você passa mal por algum motivo, como se você andasse com um ceifador na sua cola...Você se transforma em outra pessoa, passa por uma metamorfose mesmo, só que eu acho que saí do casulo cedo demais, quero voltar pra lá....as asas demoram muito para secar e mesmo assim eu ainda não quero voar...estou cansada! Quero parar o mundo e descer um pouquinho, só um pouquinho. E aí quem sabe um dia pedir para alguém parar, só por um instante, para me dar a mão e me ajudar a subir nele de novo.







domingo, 7 de abril de 2013

Gordinhas Maravilhosas ®: Magnestismo Plus Size

Gordinhas Maravilhosas ®: Magnestismo Plus Size: Já reparou na entonação que algumas mulheres usam para se referir ao público Plus? Se for uma gordinha linda, produzida, elegante então, ela...

quinta-feira, 4 de abril de 2013

Ansiedade



Acredito que um dos maiores males do mundo moderno é a ansiedade e futilidade, a pressa em obter resultados imediatos, o descontrole emocional por não saber esperar. E isso acaba arrastando a pessoa para um redemoinho sem fim, afetando a maneira de se relacionar tanto pessoal quanto profissionalmente. Hoje em dia ninguém sabe esperar mais. Todos querem resultados imediatos, instantâneos sem muito esforço ou dedicação. E eu ainda me assusto com isso. Sou o tipo de pessoa que sabe lidar com qualquer tipo de pessoa, mas,  preciso me esforçar muito para lidar com a ansiedade alheia e futilidade também. Não vejo sentido em apressar a vida, atropelar o ritmo das pessoas, julgar pela aparência. Eu nunca vou entender isso.
As mulheres hoje em dia reclamam que não são valorizadas, mas, elas próprias se desvalorizam usando e abusando da vulgaridade, usando  o próprio corpo para atingir seus objetivos mais rapidamente. Depois elas não entendem o motivo de não serem levadas a sério...

Mas, voltando a falar de ansiedade - que para mim é como um ser horroroso vindo das profundezas do aquém do além de onde não vem ninguém - quem nunca foi ansioso não sabe o inferno que essa praga pode ser na sua vida! Eu já sofri muito com isso, sentia uma fome de buraco negro quando ficava assim, mas, hoje em dia acontece o contrário comigo, eu perco a fome quando esse monstrinho me visita. O que me ajudou muito no passado foi a prática da meditação. Você não faz idéia do que é realmente esvaziar a mente e se concentrar única e exclusivamente na sua respiração. Missão quase impossível, mas como sou expert neste tipo de missões eu fui até o fim e adorei a prática. Hoje em dia não pratico mais, também, eu expulsei a ansiedade da minha vida com pontapés!








segunda-feira, 1 de abril de 2013

Nasci na época errada

Eu definitivamente nasci na época errada. Eu deveria ter nascido na época em que ainda existia cavalheirismo, respeito com as mulheres, cordialidade. Numa época em que o amor era cultivado, adubado para florescer lindamente. Um tempo onde as coisas fluíam num ritmo mais natural, sem pressa, sem ansiedade, sem tantas imposições. Numa época em que mulheres eram cortejadas, recebiam cartas de amor, serenatas, flores, tempo em que o relacionamento era construído baseado na confiança e respeito. Sem ditaduras, disputa de poder, manipulação, joguinhos fúteis, apenas poesia em movimento. Um tempo em que o primeiro beijo era aguardado como algo especial e único. Hoje em dia muitos beijam e vão embora sem ao menos trocarem 1 palavra. É o tempo de Fast Sex que eu nunca vou conseguir adotar, nem entender.

As pessoas reclamam que ninguém as ama, mas, não se esforçam para aprender a amar, aprender a ser amada também. É como se os relacionamentos já começassem fadados ao fracasso. Com data de validade. E já começam aceitando o fim, encarando como mais um relacionamento. Deve ser por isso que sempre me arrebentei rssss. Eu sempre achei o amor algo sublime que merece respeito, liberdade e dedicação. Amor com amarras, desconfiança, não é amor, é tortura. Contudo, os namorados tendem a estragar tudo quando tem uma namorada que não pega no pé e confia neles ao ponto de não sufocar como um gps. Mas eu nunca vou conseguir ser possessiva, dominadora, crítica,do tipo que tenta mudar o cara de qualquer jeito. Não é da minha natureza. Embora eu esteja começando a achar que eles gostam mesmo é disso, pois é o que mais vejo à minha volta.

Quem sabe eu encontre o Delorean e pegue uma carona com o McFly para o passado. Enquanto isso vou ficando por aqui, presa numa era que nada tem a ver comigo.